Manutenção do sistema

[A história do Linux]*[ Segurança ]*[ Execução de Programas ]*[ Comandos de diretórios ]*
[ Comandos de arquivos ]*[ Comandos Diversos ]*[ Comandos de Rede ]*[ Comandos de contas ]*
[ Permissões ]*[ Gerenciamento de pacotes ]*[ Manutenção do sistema ]*[ Aplicativos para Linux ]*
[ Iptables ]*[ Instalação do Linux ]


Guia Foca GNU/Linux
Capítulo 26

Este capítulo descreve como fazer a manutenção de seu sistema de arquivos e os programas de manutenção automática que são executados periodicamente pelo sistema.


26.1 Checagem dos sistemas de arquivos

A checagem do sistema de arquivos permite verificar se toda a estrutura para armazenamento de arquivos, diretórios, permissões, conectividade e superfície do disco estão funcionando corretamente. Caso algum problema exista, ele poderá ser corrigido com o uso da ferramenta de checagem apropriada. As ferramentas de checagem de sistemas de arquivos costumam ter seu nome iniciado por fsck e terminados com o nome do sistema de arquivos que verifica, separados por um ponto:

  • fsck.ext2 – Verifica o sistema de arquivos EXT2 ou EXT3. Pode também ser encontrado com o nome e2fsck.
  • fsck.ext3 – Um alias para fsck.ext3.
  • fsck.minix – Verifica o sistema de arquivos Minix.
  • fsck.msdos – Verifica o sistema de arquivos Msdos. Pode também ser encontrado com o nome dosfsck.

Para verificar um sistema de arquivos é necessário que ele esteja desmontado caso contrário poderá ocorrer danos em sua estrutura. Para verificar o sistema de arquivos raíz (que não pode ser desmontado enquanto o sistema estiver sendo executado) você precisará inicializar através de um disquete e executar o fsck.ext2.


26.1.1 fsck.ext2

Este utilitário permite verificar erros em sistemas de arquivos EXT2 e EXT3 (Linux Native).

fsck.ext2 [opções] [dispositivo]

Onde:

dispositivo
É o local que contém o sistema de arquivos EXT2/EXT3 que será verificado (partições, disquetes, arquivos).

opções
-c
Faz o fsck.ext2 verificar se existem agrupamentos danificados na unidade de disco durante a checagem.

-d
Debug – Mostra detalhes de processamento do fsck.ext2.

-f
Força a checagem mesmo se o sistema de arquivos aparenta estar em bom estado. Por padrão, um sistema de arquivos que aparentar estar em bom estado não são verificados.

-F
Grava os dados do cache no disco antes de iniciar.

-l [arquivo]
Inclui os blocos listados no [arquivo] como blocos defeituosos no sistema de arquivos. O formato deste arquivo é o mesmo gerado pelo programa badblocks.

-L [arquivo]
Faz o mesmo que a opção -l, só que a lista de blocos defeituosos do dispositivo é completamente limpa e depois a lista do [arquivo] é adicionada.

-n
Faz uma verificação de somente leitura no sistema de arquivos. Com esta opção é possível verificar o sistema de arquivos montado. Será assumido não para todas as perguntas e nenhuma modificação será feita no sistema de arquivos.

Caso a opção -c seja usada junto com -n, -l ou -L, o sistema de arquivos será verificado e permitirá somente a atualização dos setores danificados não alterando qualquer outra área.

-p
Corrige automaticamente o sistema de arquivos sem perguntar. É recomendável fazer isto manualmente para entender o que aconteceu, em caso de problemas com o sistema de arquivos.

-v
Ativa o modo verbose (mais mensagens são mostradas durante a execução do programa).

-y
Assume sim para todas as questões.

Caso sejam encontrados arquivos problemáticos e estes não possam ser recuperados, o fsck.ext2 perguntará se deseja salva-los no diretório lost+found. Este diretório é encontrado em todas as partições ext2. Não há risco de usar o fsck.ext3 em uma partição EXT2.

Após sua execução é mostrado detalhes sobre o sistema de arquivos verificado como quantidade de blocos livres/ocupados e taxa de fragmentação.

Exemplos: fsck.ext2 /dev/hda2, fsck.ext2 -f /dev/hda2, fsck.ext2 -vrf /dev/hda1.


26.2 reiserfsck

Verifica um sistema de arquivos reiserfs em sistema de arquivos.

reiserfsck [opções] [dispositivo]

dispositivo
Dispositivo que contém o sistema de arquivos reiserfs que será verificado.

opções
-a
Mostra detalhes sobre o sistema de arquivos e sai

-j arquivo
Especifica um arquivo de Journal alternativo usado pelo sistema de arquivos.

-q quiet
Não exibe mensagens sobre o status da checagem do sistema de arquivos.

-S
Constrói a árvore de todos os blocos do dispositivo.

O reiserfsck possui outros modos de operação além de checagem (o padrão), para detalhes veja a página de manual do programa.

Exemplos: reiserfsck /dev/hda1, reiserfsck -S /tmp/arq-reiserfs.


26.3 fsck.minix

Verifica o sistema de arquivos minix em um dispositivo.

fsck.minix [opções] [dispositivo]

Onde:

dispositivo
Partição, disquete ou arquivo que contém o sistema de arquivos Minix que será verificado

opções
-f
Verifica o sistema de arquivos mesmo se ele estiver perfeito.

-r
Permite reparo manual do sistema de arquivos

-a
Permite um reparo automático do sistema de arquivos. É recomendado fazer o reparo manual.

-v
Verbose – Mostra detalhes durante a execução do programa

-s
Exibe detalhes sobre os blocos de root.

Exemplo: fsck.minix -f /dev/hda8, fsck.minix -vf /dev/hda8


26.4 badblocks

Procura blocos defeituosos em um dispositivo. Note que este apenas pesquisa por blocos defeituosos, sem alterar a configuração do disco. Para marcar os blocos defeituosos para não serem mais usados, utilize a opção -l do fsck (veja fsck.ext2, Seção 26.1.1).

badblocks [opções] [dispositivo]

Onde:

dispositivo
Partição, disquete ou arquivo que contém o sistema de arquivos que será verificado.

opções
-b [tamanho]
Especifica o [tamanho] do bloco do dispositivo em bytes

-o [arquivo]
Gera uma lista dos blocos defeituosos do disco no [arquivo]. Este lista pode ser usada com o programa fsck.ext2 junto com a opção -l.

-s
Mostra o número de blocos checados durante a execução do badblocks.

-v
Modo verbose – São mostrados mais detalhes.

-w
Usa o modo leitura/gravação. Usando esta opção o badblocks procura por blocos defeituosos gravando alguns padrões (0xaa, 0x55, 0xff, 0x00) em cada bloco do dispositivo e comparando seu conteúdo.

Nunca use a opção -w em um dispositivo que contém arquivos pois eles serão apagados!

Exemplo: badblocks -s /dev/hda6, badblocks -s -o bad /dev/hda6


26.5 defrag

Permite desfragmentar uma unidade de disco. A fragmentação é o armazenamento de arquivos em áreas não seqüenciais (uma parte é armazenada no começo a outra no final, etc), isto diminui o desempenho da unidade de disco porque a leitura deverá ser interrompida e feita a movimentação da cabeça para outra região do disco onde o arquivo continua, por este motivo discos fragmentados tendem a fazer um grande barulho na leitura e o desempenho menor.

A desfragmentação normalmente é desnecessária no GNU/Linux porque o sistema de arquivos ext2 procura automaticamente o melhor local para armazenar o arquivo. Mesmo assim, é recomendável desfragmentar um sistema de arquivos assim que sua taxa de fragmentação subir acima de 10%. A taxa de fragmentação pode ser vista através do fsck.ext2. Após o fsck.ext2 ser executado é mostrada a taxa de fragmentação seguida de non-contiguos.

A ferramenta de desfragmentação usada no GNU/Linux é o defrag que vem com os seguintes programas:

  • e2defrag – Desfragmenta sistemas de arquivos Ext2.
  • defrag – Desfragmenta sistemas de arquivos Minix.
  • xdefrag – Desfragmenta sistemas de arquivos Xia.

O sistema de arquivos deve estar desmontado ao fazer a desfragmentação. Se quiser desfragmentar o sistema de arquivos raíz (/), você precisará inicializar através de um disquete e executar um dos programas de desfragmentação apropriado ao seu sistema de arquivos. A checagem individual de fragmentação em arquivos pode ser feita com o programa frag.

ATENÇÃO: Retire cópias de segurança de sua unidade antes de fazer a desfragmentação. Se por qualquer motivo o programa de desfragmentação não puder ser completado, você poderá perder dados!

e2defrag [opções] [dispositivo]

Onde:

dispositivo
Partição, arquivo, disquete que contém o sistema de arquivos que será desfragmentado.

-d
Debug – serão mostrados detalhes do funcionamento

-n
Não mostra o mapa do disco na desfragmentação. É útil quando você inicializa por disquetes e recebe a mensagem “Failed do open term Linux” ao tentar executar o e2defrag.

-r
Modo somente leitura. O defrag simulará sua execução no sistema de arquivos mas não fará nenhuma gravação. Esta opção permite que o defrag seja usado com sistema de arquivos montado.

-s
Cria um sumário da fragmentação do sistema de arquivos e performance do desfragmentador.

-v
Mostra detalhes durante a desfragmentação do sistema de arquivos. Caso mais de uma opção -v seja usada, o nível de detalhes será maior.

-i [arquivo]
Permite definir uma lista de prioridades em que um arquivo será gravado no disco, com isto é possível determinar se um arquivo será gravado no começo ou final da unidade de disco. Esta lista é lida do [arquivo] e deve conter uma lista de prioridades de -100 a 100 para cada inodo do sistema de arquivos. Arquivos com prioridade alta serão gravados no começo do disco.

Todos os inodos terão prioridade igual a zero caso a opção -i não seja usada ou o inodo não seja especificado no [arquivo]. O [arquivo] deverá conter uma série de linhas com um número (inodo) ou um número prefixado por um sinal de igual seguido da prioridade.

-p [numero]
Define o [numero] de buffers que serão usados pela ferramenta de desfragmentação na realocação de dados, quanto mais buffers mais eficiente será o processo de realocação. O número depende de quantidade memória RAM e Swap você possui. Por padrão 512 buffers são usados correspondendo a 512Kb de buffer (em um sistema de arquivos de blocos com 1Kb).

Exemplo: e2defrag -n -v /dev/hdb4, e2defrag -r /dev/hda1


26.6 Verificando e marcando setores danificados em um HD

Um dos sintomas de um disco rígido que contém setores danificados (bad blocks) é a mudança repentina do sistema de arquivos para o modo somente leitura, o aparecimento de diversas mensagens no syslog indicando falha de leitura do hd, uma pausa se segundos no sistema junto com o led de atividade de disco ligado. Se isto acontece com você, uma forma de solucionar este inconveniente é executar o teste na superfície física do disco para procurar e marcar os blocos problemáticos como defeituosos.

Em alguns casos, os blocos defeituosos ocorrem isoladamente no disco rígido, não aumentando mais sua quantidade, entretanto, se o número de blocos danificados em seu disco está crescendo em um curto espaço de tempo, comece a pensar na troca do disco rígido por um outro. Existem empresas que recuperam HDs mas pelo valor cobrado por se tratar de um serviço delicado, só compensa caso você não tenha o backup e realmente precisa dos dados do disco.

Para fazer uma checagem de HD no sistema de arquivos ext2 ou ext3, proceda da seguinte forma:

  • Se possível, faça um backup de todos os dados ou dos dados essenciais da partição será checada.
  • Inicie o sistema por um disquete de boot ou CD de recuperação. Este passo é útil pois em alguns casos, pode ocorrer a perda de interrupção do disco rígido e seu sistema ficar paralisado. Só o método de checar o HD usando um disquete de boot lhe fará agendar uma parada no sistema e notificar os usuários, evitando sérios problemas do que fazendo isto com um sistema em produção.
  • Execute o badblocks usando a opção -o para gravar os possíveis blocos defeituosos encontrados para um arquivo: badblocks -v -o blocos-defeituosos.lista /dev/hd??.

    Substitua o dispositivo /dev/hd?? pelo dispositivo que deseja verificar. A checagem do badblocks deverá ser feita para cada partição existente no disco rígido. O tempo de checagem dependerá da velocidade do disco rígido, velocidade do barramento, cabo de dados utilizado, velocidade de processamento e é claro, do estado do disco rígido (quantos setores defeituosos ele tem).

  • Após concluir o badblocks, veja se foram encontrados blocos defeituosos. Caso tenha encontrado, siga para o próximo passo.
  • Para marcar os blocos encontrados pelo badblocks como defeituosos, execute o comando: fsck.ext3 -l blocos-defeituosos.lista -f /dev/hd??.

    Substitua o dispositivo, pelo dispositivo que verificou com o badblocks. O arquivo blocos-defeituosos.list contém a lista de blocos gerada pelo badblocks que serão marcados como defeituosos.

Para mais detalhes sobre as opções de checagem usada pelos programas, veja badblocks, Seção 26.4 e fsck.ext2, Seção 26.1.1.


26.7 Limpando arquivos de LOGS

Tudo que acontece em sistemas GNU/Linux pode ser registrado em arquivos de log em /var/log, como vimos anteriormente. Eles são muito úteis por diversos motivos, para o diagnóstico de problemas, falhas de dispositivos, checagem da segurança, alerta de eventuais tentativas de invasão, etc.

O problema é quando eles começam a ocupar muito espaço em seu disco. Verifique quantos Megabytes seus arquivos de LOG estão ocupando através do comando cd /var/log;du -hc. Antes de fazer uma limpeza nos arquivos de LOG, é necessário verificar se eles são desnecessários e só assim zerar os que forem dispensáveis.

Não é recomendável apagar um arquivo de log pois ele pode ser criado com permissões de acesso indevidas (algumas distribuições fazem isso). Você pode usar o comando: echo -n >arquivo ou o seguinte shell script para zerar todos os arquivos de LOG de uma só vez (as linhas iniciante com # são comentários):

     #! /bin/sh
     cd /var/log
     for l in `ls -p|grep '/'`; do
      echo -n >$l &>/dev/null
      echo Zerando arquivo $l...
     done
     echo Limpeza dos arquivos de log concluída!

Copie o conteúdo acima em um arquivo com a extensão .sh, dê permissão de execução com o chmod e o execute como usuário root. É necessário executar este script para zerar arquivos de log em subdiretórios de /var/log, caso sejam usados em seu sistema.

Algumas distribuições, como a Debian GNU/Linux, fazem o arquivamento automático de arquivos de LOGs em arquivos .gz através de scripts disparados automaticamente pelo cron. ATENÇÃO: LEMBRE-SE QUE O SCRIPT ACIMA APAGARÁ TODOS OS ARQUIVOS DE LOGs DO SEU SISTEMA SEM POSSIBILIDADE DE RECUPERAÇÃO. TENHA ABSOLUTA CERTEZA DO QUE NÃO PRECISARÁ DELES QUANDO EXECUTAR O SCRIPT ACIMA!


26.8 Recuperando partições apagadas

Caso tenha apagado uma partição acidentalmente ou todas as partições do seu disco, uma forma simples de recuperar todos os seus dados é simplesmente recriar todas as partições com o tamanho EXATAMENTE igual ao existente anteriormente. Isto deve ser feito dando a partida com um disquete ou CD de inicialização. Após recriar todas as partições e seus tipos (83, 82 8e, etc), execute novamente o lilo para recriar o setor de boot do HD e garantir que a máquina dará o boot.

A recuperação desta forma é possível porque quando se cria ou apaga uma partição, você está simplesmente delimitando espaço onde cada sistema de arquivos gravará seus dados, sem fazer nenhuma alteração dentro dele. Assim, é também útil manter uma cópia dos tamanhos usados durante o processo de criação das partições para ser usado como recuperação em uma possível emergência.


26.9 Recuperando a senha de root perdida

Uma situação que você deve ter se deparado (ou algum dia ainda vai se deparar) é precisar alterar a senha de root e não sabe ou não lembra a senha atual. Esta situação também pode ser encontrada quando ocorre uma falha de disco, falha elétrica, reparos em uma máquina que não detém sua manutenção, etc. A melhor notícia é que a alteração da senha de root é possível e não apresenta problema qualquer para o sistema. Existem várias formas para se fazer isto, a forma que descreverei abaixo assume que você tem acesso a um outro dispositivo de partida que não seja o HD do Linux (CD-ROM, disquetes, outro disco rígido, etc). Assim, mesmo que encontre uma senha de BIOS em uma máquina, poderá colocar o disco rígido em outra máquina e executar estes procedimentos.

OBS: Estes procedimentos tens fins didáticos e administrativos, não sendo escritos com a intenção de fornecer mal uso desta técnica. Entender a exposição de riscos também ajuda a desenvolver novas técnicas de defesa para sistemas críticos, e estas são totalmente possíveis e as mais usadas documentadas neste guia.

  • Como primeiro passo consiga um CD de partida ou disquete de uma distribuição Linux. Normalmente os mesmos CDs que usou para instalar sua distribuição também são desenvolvidos para permitir a manutenção do sistema, contendo ferramentas diversas e um terminal virtual disponível para trabalhos manuais (tanto de instalação como manutenção).
  • Vá até a BIOS da máquina e altere a ordem de inicialização para que seu sistema inicialize a partir do disquete ou CD-ROM (dependendo do método escolhido no passo anterior).
  • Inicialize a partir do Disquete/CD-ROM.
  • Na maioria dos casos você provavelmente estará utilizando o CD-ROM que usou para instalar sua distribuição. Imediatamente quando o programa de instalação for iniciado, pressione ALT+F2 para alternar para o segundo terminal virtual do sistema. O segundo terminal esta sempre disponível nas distribuições distribuições Debian, Red Hat, Mandriva, Fedora, etc.
  • O próximo passo será montar sua partição raíz para ser possível alterar sua senha de root. Para isto, crie um diretório onde a partição será montada (por exemplo, /target) e execute o comando mount: mount /dev/hda1 /target (assumindo que /dev/hda1 é a partição que contém seu sistema de arquivos raíz (/).
  • Entre no diretório /target (cd /target) e torne-o seu diretório raíz atual com o comando: chroot ..
  • digite passwd e entre com a nova senha de superusuário.
  • saia do chroot digitando exit
  • Digite sync para salvar todas as alterações pendentes para o disco e reinicie o sistema (pressionando-se as teclas CTRL+ALT+DEL, init 6, reboot).
  • Retire o CD da unidade de discos e altere sua BIOS para dar a partida a partir do disco rígido.
  • Teste e verifique se a senha de root foi alterada.

Normalmente as distribuições seguem o padrão FHS, mantendo binários de administração necessários para recuperação do sistema em caso de panes dentro da partição /, se este não for o caso de sua distribuição (hoje em dia é raro), você terá que montar sistemas de arquivos adicionais (como o /usr, /var) ou então o comando passwd não será encontrado ou terá problemas durante sua execução.


26.10 Tarefas automáticas de manutenção do sistema

Os arquivos responsáveis pela manutenção automática do sistema se encontram em arquivos individuais localizados nos diretórios /etc/cron.daily, /etc/cron.weekly e /etc/cron.montly. A quantidade de arquivos depende da quantidade de pacotes instalado em seu sistema, porque alguns programam tarefas nestes diretórios e não é possível descrever todas, para detalhes sobre o que cada arquivo faz veja o cabeçalho e o código de cada arquivo.

Estes arquivos são executados pelo cron através do arquivo /etc/crontab. Você pode programar quantas tarefas desejar, para detalhes veja cron, Seção 26.11 e at, Seção 26.12. Alguns programas mantém arquivos do cron individuais em /var/spool/cron/crontabs que executam comandos periodicamente.


26.11 cron

O cron é um daemon que permite o agendamento da execução de um comando/programa para um determinado dia/mês/ano/hora. É muito usado em tarefas de arquivamento de logs, checagem da integridade do sistema e execução de programas/comandos em horários determinados.

As tarefas são definidas no arquivo /etc/crontab e por arquivos individuais de usuários em /var/spool/cron/crontabs/[usuário] (criados através do programa crontab). Adicionalmente a distribuição Debian utiliza os arquivos no diretório /etc/cron.d como uma extensão para o /etc/crontab.

Para agendar uma nova tarefa, basta editar o arquivo /etc/crontab com qualquer editor de texto (como o ae e o vi) e definir o mês/dia/hora que a tarefa será executada. Não é necessário reiniciar o daemon do cron porque ele verifica seus arquivos a cada minuto. Veja a seção O formato de um arquivo crontab, Seção 26.11.1 para entender o formato de arquivo cron usado no agendamento de tarefas.


26.11.1 O formato de um arquivo crontab

O arquivo /etc/crontab tem o seguinte formato:

     52  18    1   *   *    root     run-parts --report /etc/cron.montly
     |   |     |   |   |      |      |
     |   |     |   |   |      |      \_Comando que será executado
     |   |     |   |   |      |      
     |   |     |   |   |      \_ UID que executará o comando
     |   |     |   |   |            
     |   |     |   |   \_ Dia da semana (0-7)
     |   |     |   |
     |   |     |   \_ Mês (1-12)
     |   |     |
     |   |     \_ Dia do Mês (1-31)
     |   |
     |   \_ Hora
     |
     \_ Minuto

Onde:

Minuto
Valor entre 0 e 59

Hora
Valor entre 0 e 23

Dia do Mês
Valor entre 0 e 31

Mês
Valor entre 1 e 12 (identificando os meses de Janeiro a Dezembro)

Dia da Semana
Valor entre 0 e 7 (identificando os dias de Domingo a Sábado). Note que tanto 0 e 7 equivalem a Domingo.

usuário
O usuário especificado será usado para executar o comando (o usuário deverá existir).

comando
Comando que será executado. Podem ser usados parâmetros normais usados na linha de comando.

Os campos do arquivo são separados por um ou mais espaços ou tabulações. Um asterisco * pode ser usado nos campos de data e hora para especificar todo o intervalo disponível. O hífen – serve para especificar períodos de execução (incluindo a o número inicial/final). A vírgula serve para especificar lista de números. Passos podem ser especificados através de uma /. Veja os exemplos no final desta seção.

O arquivo gerado em /var/spool/cron/crontabs/[usuário] pelo crontab tem o mesmo formato do /etc/crontab exceto por não possuir o campo usuário (UID), pois o nome do arquivo já identifica o usuário no sistema.

Para editar um arquivo de usuário em /var/spool/cron/crontabs ao invés de editar o /etc/crontab use crontab -e, para listar as tarefas daquele usuário crontab -l e para apagar o arquivo de tarefas do usuário crontab -r (adicionalmente você pode remover somente uma tarefa através do crontab -e e apagando a linha correspondente).

OBS: Não esqueça de incluir uma linha em branco no final do arquivo, caso contrário o último comando não será executado.

O cron define o valor de algumas variáveis automaticamente durante sua execução; a variável SHELL é definida como /bin/sh, PATH como /usr/bin:/bin, LOGNAME, MAILTO e HOME são definidas através do arquivo /etc/passwd. Os valores padrões destas variáveis podem ser substituídos especificando um novo valor nos arquivos do cron.

Exemplos de um arquivo /etc/crontab:

     SHELL=/bin/sh
     PATH=/sbin:/bin:/usr/sbin:/usr/bin
     
     00 10  * * *  root sync
     # Executa o comando sync todo o dia as 10:00
     00 06  * * 1  root updatedb
     # Executa o comando updatedb toda segunda-feira as 06:00.
     10,20,40 *  * * *  root runq
     # Executa o comando runq todos os dias e a toda a hora em 10, 20 e 40 minutos. 
     */10 *  * * *  root fetchmail
     # Executa o comando fetchmail de 10 em 10 minutos todos os dias
     15 0  25 12 * root echo "Feliz Natal"|mail john
     # Envia um e-mail as 0:15 todo o dia 25/12 para john desejando um feliz natal. 
     30 5  * * 1-6   root  poff
     # Executa o comando poff automaticamente as 5:30 de segunda-feira a sábado.

26.12 at

O at agenda tarefas de forma semelhante ao cron com uma interface que permite a utilização de linguagem natural nos agendamentos. Sua principal aplicação é no uso de tarefas que sejam disparadas somente uma vez. Uma característica deste programa é a execução de aplicativos que tenham passado de seu horário de execução, muito útil se o computador é desligado com freqüência ou quando ocorre uma interrupção no fornecimento de energia.

Para utilizar o at, instale-o com o comando: apt-get install at. O próximo passo é criar os arquivos /etc/at.allow e at.deny. Estes arquivos são organizados no formato de um usuário por linha. Durante o agendamento, é verificado primeiro o arquivo at.allow (lista de quem pode executar comandos) e depois o at.deny (lista de quem NÃO pode executar comandos). Caso eles não existam, o agendamento de comandos é permitido a todos os usuários.

Abaixo seguem exemplos do agendamento através do comando at:

echo ls | at 10am today
Executa as 10 da manha de hoje

echo ls | at 10:05 today
Executa as 10:05 da manha de hoje

echo ls | at 10:05pm today
Executa as 10:05 da noite de hoje

echo ls | at 22:05 today
Executa as 22:05 da noite de hoje

echo ls | at 14:50 tomorrow
Executa o comando amanhã as 14:50 da tarde

echo ls | at midnight
Executa o comando a meia noite de hoje

echo ls | at midnight tomorrow
Executa o comando a meia noite de amanhã

echo ls | at noon
Executa o comando de tarde (meio dia).

at -f comandos.txt teatime
Executa os comandos especificados no arquivo “comandos.txt” no horário do café da tarde (as 16:00 horas).

at -f comandos.txt +3 minutes
Executa os comandos especificados no arquivo “comandos.txt” daqui a 3 minutos. Também pode ser especificado “hours” ou “days”.

at -f comandos.txt tomorrow +3 hours
Executa os comandos especificados no arquivo “comandos.txt” daqui a 3 horas no dia de amanhã. (se agora são 10:00, ela será executada amanhã as 13:00 da tarde).

Todas as tarefas agendadas são armazenadas em arquivos dentro do diretório /var/spool/cron/atjobs. A sintaxe de comandos para gerenciar as tarefas é semelhante aos utilitários do lpd: Para ver as tarefas, digite atq. Para remover uma tarefa, use o comando atrm seguido do número da tarefa obtida pelo atq.


Guia Foca GNU/Linux

Versão 5.65 – domingo, 05 de setembro de 2010

Gleydson Mazioli da Silva gleydson@guiafoca.org


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s